Meus fãs

sábado, 5 de agosto de 2017

O Blog dos Escorpianos perguntou aos membros de seu grupo fechado no Facebook (se você quiser fazer parte desse grupo, é só clicar aqui e pedir para entrar!):


SENDO VOCÊ DE ESCORPIÃO, COM QUAL OU QUAIS OUTROS SIGNOS VOCÊ ACHA QUE MAIS SE DÁ BEM, PELA SUA EXPERIÊNCIA DE VIDA? POR QUE VOCÊ ACHA QUE SE DÁ BEM COM ESSE(S) SIGNO(S)?


Confiram as respostas dos escorpianos:


domingo, 23 de julho de 2017

Desafio no ar, escorpianos!




Siga as regras e participe! Clique na imagem para ser redirecionado! Boa sorte!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

É neste domingo (23/07), às 20 horas, no Blog dos Cancerianos!




Para participar, escorpiano, você deve seguir o Blog dos Escorpianos no Google, clicando no botão "Seguir" aí em cima! Seguindo a gente pelo Google, você também fica sabendo da data e do horário em que serão publicados os nossos próximos desafios!


Até lá! Boa sorte!

domingo, 2 de julho de 2017

O Blog dos Escorpianos perguntou aos membros de seu grupo fechado no Facebook (se quiser fazer parte do grupo, é só clicar aqui e pedir para entrar!):


VOCÊ GOSTA DE SER DO SIGNO DE ESCORPIÃO? POR QUÊ?


Confiram as respostas dos escorpianos:





Confira as respostas a essa mesma pergunta nos outros signos:










quarta-feira, 21 de junho de 2017

Conheça o nosso vencedor do Primeiro Desafio do Blog dos Geminianos! E fique ligado nos nossos próximos desafios, o próximo vencedor pode ser você! Siga os nossos blogs e curta a nossa página para ficar sabendo dos desafios!


Clique na imagem para ser redirecionado.

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Vem aí!


Esse não vai ter enigma, não! Vai ser fácil, fácil! Participe! Aberto a todos os signos!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Hoje é Dia do Orgulho Nerd!

Em comemoração a esta data, vamos trazer imagens de alguns adeptos do cosplay – dos indivíduos mais dedicados aos mais sem noção, dos rigorosos aos engraçados – categorizados em cada blog de acordo com alguma característica do signo.

Em Escorpião, conheça alguns cosplayers SENSUAIS.


Emma Frost.



Jade.



Viúva Negra.



Vampirella.



Goku com Super Saiyajin.



Escrava Léia.



Sonja.



Yoko Littner.



Cammy.



Lara Croft.



Conheça os cosplays dos outros signos:









Blog dos Sagitarianos


Blog dos Arietinos

domingo, 14 de maio de 2017

A opinião do Blog dos Escorpianos sobre o interrogatório do Lula (27/10):



Para comemorar o Dia das Mães, nossos blogs irão relembrar algumas das mães mais comoventes, esquisitas ou engraçadas do cinema.


Representantes de Escorpião:


Até hoje os fãs se questionam: a mãe de Jason mata os outros por causa dele ou Jason mata os outros por causa da mãe? O final de Sexta-feira 13 dá margem a especulações e a questão nunca ficou clara. E você, o que acha? Reveja a escorpiana Betsy Palmer (01/11) interpretando a senhora Voorhees e solucione essa dúvida Tostines!




Curiosidade (contém spoilers!): Sexta-feira 13 rendeu tantas sequências que ao longo do tempo o público esqueceu que o assassino do primeiro filme é a mãe de Jason! Aproveitando-se disso, o roteirista Kevin Williamson criou uma pegadinha impactante para a sequência de abertura de Pânico, com Drew Barrymore. Confira: 




Clique no cartaz para assistir ao filme dublado.


Um incidente na escola dos filhos acaba unindo um grupo de mães solteiras que, a partir daí, tentam superar as dificuldades enquanto se divertem. Nia Long (30/10), que contracenou com Whoppi Goldberg, Ted Danson e Will Smith em Made in America, é uma das mães.


O Clube das Mães Solteiras (2014)


Clique no cartaz para assistir ao filme dublado.


Anne Dorval (08/11) interpreta uma excêntrica mãe viúva de quarenta anos sobrecarregada por criar sozinha seu filho de 15 anos que sofre de transtorno de déficit de atenção. Mas ela vislumbra ajuda para os seus problemas na figura de uma vizinha que ela mal conhece. Um drama canadense "diferente", que obteve grande sucesso de crítica e de público e o prêmio César (o "Oscar" francês) de Melhor Filme Estrangeiro.


Mommy (2014)


Clique no cartaz para assistir ao filme dublado.



Assista a outros filmes do nosso Especial "Dia das Mães":

Librianos

Geminianos

Leoninos

Virginianos

Aquarianos

Piscianos

Sagitarianos

Taurinos

Capricornianos

Cancerianos

Arietinos

segunda-feira, 1 de maio de 2017

O enigma do Primeiro Desafio do Blog dos Taurinos já está no ar! Não é preciso ser taurino para participar, o desafio é aberto a todas as pessoas de qualquer signo. Entre no blog e mostre que você é fera!

Clique na imagem para ser redirecionado.

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Qual o significado da jaqueta com escorpião no badalado filme Drive?





Considerado por muitos o melhor filme de 2011, Drive tem poucos diálogos e muito estilo. Com ambientação moderna, mas look retrô dos anos 80 reforçado pela fotografia de Newton Thomas Sigel, o filme também foi extremamente cuidadoso com o guarda-roupa. A jaqueta do motorista sem nome teve tantas versões que o modelo definitivo só ficou pronto horas antes de seu intérprete, Ryan Gosling, começar a filmar com ela. 




A peça de vestuário que se tornou icônica foi concebida por um brainstorm que incluiu o diretor, a figurinista e o próprio ator para a caracterização do personagem.


Ryan Gosling com o diretor


Para começo de conversa, o dinamarquês Nicolas Winding Refn, o diretor, queria que Gosling usasse no filme um casaco de cetim branco ou prateado para que fosse visível à noite. Quanto à composição psicológica, a jaqueta funcionaria como uma espécie de armadura para o dublê de cenas perigosas de dia/motorista de assaltos à noite. Ele explicou: "Quando você trabalha com grandes atores, uma das coisas mais importantes para eles na hora de construir um personagem é definir como ele se veste. Então, Ryan encontrou uma jaqueta com a qual ele se sentia confortável. Eu gostei da jaqueta, era uma jaqueta militar antiga. Não era em cetim, por isso, tivemos que refazê-la sob medida. Mas esses agasalhos antigos tinham símbolos neles, símbolos americanos, como uma águia. E eu pensei que seria legal se a do filme tivesse um símbolo de animal".




Sigel estava a fim de mostrar para a figurinista Erin Benach um filme experimental e polêmico de 1964, chamado Scorpio Rising, porque estavam discutindo sobre que tipo de roupa as pessoas usariam numa garagem e ele queria que fosse algo bem marcante, fetiche. Ryan estava lá também, e quando o filme começou, "com o famoso escorpião entrando em enquadramento", o diretor conta que os dois se entreolharam na mesma hora e concordaram: tinha que ser um escorpião. Além do mais, esse era o signo do ator, que nasceu em 12/11! Tudo se encaixava...




... e fez ainda mais sentido quando Ryan deu sua contribuição decisiva para definir a personalidade de seu personagem, proporcionando uma chave para sua enigmática persona. Ao chegarem à fase dos diálogos adicionais, o ator sugeriu ao diretor: "Por que eu não conto a fábula do escorpião e do sapo?". 




A inclusão dessa fábula – cuja moral é a de que o comportamento de algumas criaturas é irreprimível, não importa como elas são tratadas e não importa as consequências – numa das últimas cenas do filme, quando o motorista dá um telefonema ao seu principal antagonista, Bernie Rose (interpretado por Albert Brooks), foi crucial. Percebemos por ela que o desfecho não pode ser outro que não um perde-perde. O motorista (que traz literalmente um escorpião às costas) no início é o sapo, conduzindo de um lado para outro indivíduos criminosos, letais, mas cedo ou tarde acabará sucumbindo, ainda que os escorpiões também sejam aniquilados e ele próprio acabe por se tornar um escorpião no processo. 


(Alerta de spoiler)


E como um escorpião não consegue evitar a própria natureza e carrega em si a destruição a todos à sua volta, é melhor para Irene e Benicio que ele suma de suas vidas. E é por isso que o personagem, ao final do filme, parece em paz, resignado com a própria morte (sim, uma facada no estômago é mortal, o final não fica em aberto, apesar da torcida do público, e ele não consegue escapar vivo: as imagens finais com ele dirigindo – sua essência congelada pela eternidade afora – são alegóricas), pois alcança a redenção. Afinal, tudo que o motorista queria era ser, como diz ao fundo a canção da dupla canadense Electric Youth na derradeira cena, uma boa pessoa, um verdadeiro herói, um ser humano de verdade:


Be a human being (being, being, being...)
And a real hero (hero, hero, hero...)
Back against the wall and odds
With the strength of a will and a cause
Your pursuits are called outstanding
You're emotionally complex
Against the grain of dystopic claims
Not the thoughts your actions entertain
And you, have proved, to be

A real human being, and a real hero
Real human being, and a real hero
Real human being, and a real hero
Real human being, and a real hero
Real a human being (being, being, being...)

A pilot on a cold, cold morn'
One hundred fifty-five people on board
All safe and all rescued
From the slowly sinking ship
Water warmer than
His head so cool
In that tight bind knew what to do
And you, have proved, to be

A real human being, and a real hero
Real a human being, and a real hero
Real a human being, and a real hero
Real a human being, and a real hero
Real a human being (being, being, being...)
Real a human being (being, being, being...)
Real a human being




Embora, para descontrair o clima, Ryan Gosling tenha dito sobre a famosa jaqueta numa entrevista de divulgação do filme que sempre quis representar um super-herói, "mas os melhores já foram tomados". Então, ele acabou usando seu personagem em Drive como uma espécie de super-herói, fazendo da jaqueta de escorpião seu uniforme. 





Veja aqui o que já publicamos sobre Ryan Gosling neste blog.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Vem aí!




Está preparado?


Dia 01/05, às 20hs, no Blog dos Taurinos. Todo mundo pode participar, de qualquer signo! O vencedor leva o prêmio!


Conheça os vencedores dos nossos desafios anteriores.

Primeiro Desafio do Blog dos Aquarianos

Primeiro Desafio dos Blog dos Piscianos

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Nossa lojinha www.arte3f.com.br que colocamos no ar para ajudar a manter os blogs está com promoção:



sexta-feira, 14 de abril de 2017

Nesta Sexta-Feira Santa...




... os nossos blogs trazem um especial sobre a ópera-rock Jesus Cristo Superstar, destacando em cada um dos signos um aspecto diferente da obra, seja o álbum duplo que deu origem a tudo, as montagens teatrais que até hoje são realizadas, ou, principalmente, o filme. Então, vale a pena percorrer todos, pois, para aqueles que já conhecem o musical, a lembrança será oportuna e apreciada; para os que ainda não o conhecem, nossos blogs têm muito orgulho de lhes apresentar esse grande momento da música!

  
Andrew Lloyd Webber (à esquerda) e Tim Rice.


Concebido nos anos 70, o álbum conceitual da dupla Andrew Lloyd Webber e Tim Rice parecia já imbuído de sua importância e atemporalidade. Sim, pois diferente de outros frutos nascidos sob a influência do flower-power, da contracultura e do movimento hippie, como o musical Hair, por exemplo, JCS não ficou datado. Escutamos ou assistimos à obra hoje sentindo o mesmo impacto e admiração que ela causou quando foi lançada. A música de Andrew Lloyd Webber é excepcional e as letras de Tim Rice continuam ferinas, precisas e surpreendentes, com tamanho poder de síntese da verdadeira essência dos Evangelhos, que nem mesmo os mais conservadores conseguem rejeitar o musical como sacrílego, não importando a irreverência e as liberdades tomadas, pois a figura de Cristo acaba sendo mostrada em sua serena grandeza e autoridade com muito mais força do que em encenações mais convencionais e certinhas. No filme, isso é ainda mais acentuado pela comovente interpretação de Ted Neeley.




O libreto, permeado de anacronismos intencionais, gírias e comportamentos e ótica contemporâneos, centra-se nos últimos sete dias da vida de Jesus, começando com os preparativos para sua entrada triunfal em Jerusalém, no Domingo de Ramos, e termina com a crucificação, tudo isso contado do ponto de vista de Judas Iscariotes, retratado como uma figura trágica, insatisfeito com o fato de Jesus não aproveitar sua popularidade para encabeçar uma rebelião contra os romanos.




Tanto no álbum como no filme, Carl Anderson brilha como Judas, que é o fio condutor e, em última análise, o verdadeiro protagonista. Então, é de se ressaltar a importância do fato de o papel ter sido dado a um ator negro. Fosse hoje em dia, onde a preocupação com o politicamente correto leva, às vezes, ao efeito contrário do desejado, o papel de Judas, o traidor, jamais seria oferecido a um ator/cantor negro, por medo de que a opinião pública achasse que seria racismo. Naquela época, quando a geração hippie genuinamente vivia a igualdade entre todos, a parte de Judas foi oferecida a Carl Anderson sem segundas considerações simplesmente porque ele era um soberbo tenor e um intérprete cheio de nuances e da intensidade que o papel pedia. Certamente não fariam isso nos dias de hoje, e seríamos privados de sua atuação. Esse rolo compressor do “politicamente correto” cerceia muitos atores negros atualmente, já que quase nunca são chamados para papéis de vilões, perdendo grandes oportunidades. Só nomes muito consagrados como Morgan Freeman e Samuel L. Jackson, por exemplo, fogem a essa regra não escrita, mas amplamente praticada. Tanto é, que em filmes e seriados de suspense, o culpado praticamente nunca será o suspeito negro e, como o público já sabe disso, o número de suspeitos para ele é reduzido logo de cara e o mistério também. E isso resulta em racismo, da mesma forma, pois atores negros são chamados sempre para papéis muito dignos de médicos ou juízes, mas que na trama não têm a menor importância. Isso sim é racismo! Então, que bom que Jesus Cristo Superstar é de 1970 e nós hoje podemos nos deleitar com o show de Carl Anderson interpretando o maior vilão de todos os tempos.


***


Saiba mais sobre os escorpianos Tim Rice (10/11) e Bob Bingham (29/10):

O letrista britânico Tim Rice iniciou sua carreira formando uma bem-sucedida parceria com Andrew Lloyd Webber, com quem compôs, além de Jesus Cristo Superstar, os musicais José e seu Manto Tecnicolor, Evita, Cricket e The Likes of Us.





Toda sua trajetória, na verdade, é permeada de parcerias de sucesso, tanto no teatro como no cinema, e lhe conferiram tanta popularidade que você certamente já deve ter se deparado em algum momento na vida com uma de suas canções. Eis aqui um bom exemplo: 




Pois é! "Hakuna Matata" é dele, em parceria com Elton John. Além das músicas de O Rei Leão, também é de Rice as letras das animações Aladdin e O Caminho para El Dorado.





É de Rice também a letra da canção de abertura de 007 Contra Octopussy (1983), composta por John Barry e interpretada por Rita Coolidge, "All Time High".




Com tantos sucessos em seu currículo, não é de se surpreender que Rice tivesse recebido inúmeras indicações a prêmios e conquistado vários deles: por Aladdino Oscar, o Globo de Ouro e um Grammy de Canção do Ano com "A Whole New World".





Por O Rei Leão, venceu o Globo de Ouro e o Oscar de Melhor Canção Original com "Can You Feel the Love Tonight".





E, em 1996, recebeu seu terceiro Oscar de Melhor Canção Original, junto com Lloyd Webber, pela versão cinematográfica de Evitacom a canção "You Must Love Me". 




São dele também as letras das novas canções para A Bela e a Fera (2017) em parceria com o compositor original, Alan Menken, que foram acrescentadas às músicas do desenho da Disney de 1991.




Com 72 anos, Tim Rice tem ainda muitas canções para trazer ao mundo e encantar plateias.






***


Americano de Seattle, Bob Bingham fez seu debut profissional numa produção local da peça Hair. Ele não participou da gravação do álbum original de JCS na Inglaterra, mas conquistou o papel de Caifás na montagem do musical na Broadway, onde se apresentou de 1971 a 1973, e também na versão cinematográfica de Norman Jewison. Dono de um timbre de voz considerado raríssimo, o baixo superprofundo, que é o registro mais grave que a voz humana alcança, Bob largou cedo o mundo dos espetáculos para ir viver pacatamente com a esposa e seus dois filhos em Brewster, New York, ocupando um posto executivo numa fábrica de zíperes. Mas não sem antes participar da première mundial do musical Up from Paradise, com libreto e letras de Arthur Miller e música de Stanley Silverman, no papel de Deus, em 1974.



Em abril de 2015, Bob compareceu, com alguns dos outros atores de JCS, a um evento no Hollywood Boulevard Cinema, para uma sessão de Perguntas & Respostas após a exibição de uma versão remasterizada do filme, que fez parte de uma turnê nacional de divulgação. As reminiscências de sua participação no filme de 1973 foram gravadas junto com as do restante do elenco no DVD Superstar: The Making and Reunion of the Film (2015).



Da esquerda para a direita: Larry Marshall (Simão Zelote), Ted Neeley (Cristo), Barry Dennen (Pilatos), Bob Bingham (Caifás) e Kurt Yaghjian (Anás).


Confira os melhores momentos de Bob Bingham em Jesus Cristo Superstar:







Assista ao filme completo legendado:





Veja também:










Saiba mais sobre a Andrew Lloyd Webber (Blog dos Arietinos), o compositor da ópera-rock

Saiba mais sobre Josh Mostel e Ernie Cefalu (Blog dos Sagitarianos), respectivamente, o intérprete de Herodes e o designer da clássica capa do álbum

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Voltamos! Nossa lojinha ficou alguns dias fora do ar para cadastrarmos produtos, mas estamos de volta com novidades! Conheçam os nossos Fandom Blocks, quadrinhos coloridos de sua série ou filme preferido! Arte original, assinada! Exclusivos e colecionáveis, para você enfeitar a sua parede! Vem aí uma enxurrada deles!



quarta-feira, 5 de abril de 2017

O dia hoje é de Butcher Billy!





Quem acompanha nossos blogs já percebeu que a tônica em todos eles é a cultura pop. Sendo justamente essa a força motriz do trabalho do artista brasileiro Bily Mariano da Luz (elevada à enésima potência), dedicaremos a ele as postagens de hoje.




Isso mesmo: postagens com diferentes obras dele em todos os blogs a fim de termos espaço minimamente suficiente para uma amostra de sua torrencial produção! Os retratados encontram-se organizados por seus respectivos signos. Então, para você curtir todos os exemplos que selecionamos da arte feroz de Butcher Billy que ganhou o mundo, é só clicar nos links dos demais blogs ao final do post.




O trabalho desse curitibano, inspirado por uma variedade de fontes da cultura pop como música, quadrinhos, games, cinema etc., é a um só tempo criativo, impactante e nostálgico... Nos seus mashups (fusão de universos distintos), ele não se preocupa nem um pouco em ser politicamente correto nem em seguir regras. Sua arte única é um caos genial e cheio de atitude!






Curiosidade 1: em 2016, Butcher Billy publicou nas redes sociais o acordo de confidencialidade que assinou para participar da produção da quarta temporada de Black Mirror, série original da Netflix. As artes para as capas dos episódios das temporadas anteriores da ficção científica...




... chamaram a atenção até do próprio roteirista do seriado, o inglês Charlie Brooker, que contatou o ilustrador diretamente pelo Twitter.




Curiosidade 2: para quem ficou se perguntando, Butcher Billy é pisciano (19/03).




Confira agora algumas de suas obras. Divirta-se!





Adam Ant (03/11)




Katy Perry (25/10)




Shigeru Myamoto (16/11), como Mario e Link, criações suas




Scott Weiland (27/10) como Guile na série "Grunge Street Fighters"




Lula (27/10) como Cascão na Turma da Mônica/Dilma, ou melhor, na série intitulada "Superaventuras da Turma do Planalto"




Pastor Valdomiro Santiago (02/11)


















Hillary Clinton (26/10) e Donald Trump



Veja outros trabalhos de Butcher Billy:










Sagitarianos

Arietinos